Tuesday, February 17, 2009

Sobre sentimentos.

Que maneira a sua de malear meu mundo. Sabe que depois de maldar meu peito, de inventar inverno e fazer de tudo pra que tudo não faça mais sentido, eu te vejo e nascem flores nos espinhos seus onde me machuquei. Lindo então ver que até tua cor já mudou e imaginar se teu sabor brota de damasqueiros como nenhuma fruta rósea já o fez; veria que eu não fui capaz de te sombrear nem de te buscar no teu próprio jardim. Me desculpe... Porque não te peguei pela mão a tempo e fui acudir meu coração, como se assim não me arrependesse jamais de ter sido feliz no escuro. Trouxe-me uma vez pra perto do teu olimpo, mas agora longe de tudo que conquistei, eu não sei se terei mais sossego. Silencio e tem som de lamento o meu silêncio; se soubesse. Não sei se recebeu de mim o suficiente, não sei de absolutamente mais nada que possa te deixar contente; e isso é tão angustiante quanto me prender a uma ilha e te ver partir com a cidade inteira a teus pés. Você é sim o dano que escolhi pra mim. Significa o pilar que me sustenta e me soterra. Sentimentos sobre sentimentos; pesa demais e enfraquece a luz. Já não consigo escrever, ou não posso. Já não consigo não gostar de você. Ou não posso.
-Kate Polladsky

3 comments:

Flavio Ferrari said...

Garota ... que texto lindo.
Profundo, antagônico, intenso.
Dificil escrever tudo isso sem parecer piegas ou falso ou exagerado.
Que maneira de jogar com as palavras e traduzir os conflitos das emoções !
Gostei muito...

ps - isso para não falar da maturidade com que trata o fato.

meus instantes e momentos said...

parabens pelo post, muito bem escrito, muito bom.
Esse teu blog, merece muito mais visitas.
Apareça,
Maurizio
* vc tem MSN?

Margarete said...

Eu queria saber de onde vc tira tanta inspiração. Simplesmente maravilhoso.