Monday, March 09, 2009

Conheço a minha natureza azul nos dias.

Mas desfaço-me deste semblante de tristeza

Torno-me branco, quase véu.

Para lhe agradar ou apenas pela paz

Do que sinto por você.

Abro mão do meu azul quase céu.

Para me prender a algum triz

Um concha branca perdida no aquário

oceânico, para ver o que me diz.

Conheço a minha grandeza fria de ser

Mas desfaço-me da névoa que impede

minha vista à tua luz

Torno-me límpida, clara-ainda que reticente.

Para esfriar a dor que é não te ter

Ou apenas pelo calor

Do que sinto por você.









Kate Polladsky

1 comment:

noelle said...

engraçado como a gente se adapta!


adorei.