Tuesday, September 16, 2008

Vitrine.

Percebi como me olha
Me olha como se quisesse levar da vitrine o coração
Como se o preço da tua curiosidade
Morasse no seu objeto de estudo e na minha exposição
O que observou de novo na minha transparência?
Algo que se negue? Algo que se leve?
Mas deixa de elegância e de passear os olhos
Quebra logo toda essa vitrine
Rouba esse músculo bobo que tanto bate e tanto cala
Com um caco de mim talha seu nome
E batiza teu roubo de amor.



Kate Polladsky

1 comment:

Tauri said...

Parece escrito num 'arroubo' de sentimento. Um momento de impulso mas, sobretudo, de êxtase profundo.
Muito bonito.